sexta-feira, 9 de junho de 2017

Ciclovia da EPTG está na fase de terraplanagem

09/06/2017 - Agência Brasília

Obras iniciadas em maio seguirão até o fim do ano. Rollemberg visitou o local na manhã desta sexta-feira (9)

LARISSA SARMENTO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Uma demanda antiga da população começa a se tornar realidade. A construção da ciclovia de 25,7 quilômetros ao longo da Estrada Parque Taguatinga (EPTG) está na fase de terraplanagem. As intervenções se iniciaram em 17 de maio, e a previsão é que a estrutura fique pronta até o fim do ano.

Obras iniciadas em maio seguirão até o início de 2018. O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, visitou o local na manhã desta sexta-feira (9).
Obras iniciadas em maio seguirão até o início de 2018. O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, visitou o local na manhã desta sexta-feira (9). Foto: Tony Winston/Agência Brasília

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, visitou o local na manhã desta sexta-feira (9). “É uma obra histórica, que vai modernizar Brasília”, disse. “Em toda a área da EPTG, teremos pelo menos duas ciclovias em sentido contrário, e isso certamente vai contribuir muito para a qualidade de vida e a segurança de quem vai se deslocar do trabalho para casa e de quem usa a ciclovia como lazer.”

“É uma obra histórica que vai modernizar Brasília”, disse. “Em toda a área da EPTG, teremos pelo menos duas ciclovias em sentido contrário, e isso certamente vai contribuir muito para a qualidade de vida e a segurança de quem vai se deslocar do trabalho para casa e de quem usa a ciclovia como lazer”


Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

O chefe do Executivo falou ainda que lançará, em breve, um plano cicloviário para fazer a ligação das ciclovias de todas as regiões administrativas. “Iniciamos agora com um tronco muito importante do DF, que é esta ligação entre o Plano Piloto e Taguatinga.”

Serão três faixas de ciclovia, nas marginais e no canteiro central da via. A obra foi orçada inicialmente em R$ 11.789.414,27, mas foi contratada pelo valor de R$ 8.213.684,92 pela concorrência pelo menor preço.

O diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do DF (DER-DF), Henrique Luduvice, acredita que a construção de ciclovias é uma maneira eficiente de estimular o transporte não motorizado. “Queremos dar condições para que todos tenham seu espaço, com a garantia dos princípios da paz e da cidadania no trânsito.” O secretário das Cidades, Marcos Dantas, também acompanhou o governador na manhã de hoje.

Governo de Brasília investe R$ 350 milhões em mobilidade

A construção da ciclovia da EPTG faz parte de um conjunto de 12 obras em todo o DF para melhorar a mobilidade urbana na capital do País. O objetivo do governo de Brasília é dar maior fluidez ao trânsito, melhorar a qualidade do asfalto, proporcionar segurança na travessia de pedestres e aumentar a oferta para o tráfego de bicicletas.

Também fazem parte desse pacote de intervenções o Trevo de Triagem Norte, a Ligação Torto-Colorado e a passarela Nova Colina (em Sobradinho). Além disso, serão construídas outras duas ciclovias, na DF-290 (entre o Gama e a BR-040) e no Lago Oeste.

Reajuste salarial para bombeiros e policiais militares

Durante a visita às obras, o governador falou sobre a reivindicação dos órgãos da segurança pública por reajuste salarial. Rollemberg reafirmou que o Distrito Federal está impedido financeira e juridicamente de conceder reajustes. “É impossível materialmente, porque não temos recursos, e é impossível juridicamente, porque estamos comprometidos com a Lei de Responsabilidade Fiscal.”

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Após inauguração, Parque Deck Sul é aberto ao público neste domingo

28/05/2017 - Correio Braziliense

Com estrutura de mais de 80 mil m², o local conta com 1.421 metros de ciclovia, 1.249 metros de pista para caminhada

Gabriella Bertoni - Especial para o Correio

Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press
Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press

O Parque dos Pioneiros Cláudio Sant’Anna - Deck Sul, localizado às margens do Lago Paranoá, foi inaugurado na manhã deste domingo (28/5). Com estrutura de mais de 80 mil m², o local conta com 1.421 metros de ciclovia, 1.249 metros de pista para caminhada, quatro quadras de esportes, três parques infantis e uma pista de skate. “Queremos fazer uma Brasília cidadã, democratizando a orla do Lago Paranoá”, destaca o governador Rodrigo Rollemberg.

Com atividades programadas para o dia, o evento teve início às 10h e conta com foodtrucks, apresentações de dança, encontro de ciclistas e motociclistas, além de show de rock. Com homenagem a um dos pioneiros de Brasília, Cláudio Sant’Anna, seu filho, Francisco Sant’Anna esteve presente representando a família.

Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press
Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press
Autoridades inauguram Parque Deck Sul

As obras começaram em dezembro de 2015, como parte das ações de recuperação da orla do Lago Paranoá. A Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) destinou mais de R$ 12 milhões para a realização do projeto. A Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) atuou em parceria com a Terracap na execução do projeto do complexo de lazer e estima que o parque receba cerca de 6 mil visitantes por semana.

Para aproveitar o dia de sol, o servidor Sesai Morais, 35 anos, levou a família para conhecer o novo deck. Para ele, o lugar é "agradável e muito familiar". Mas o morador do Guará ressaltou que o acesso não é tão fácil. “É um pouco descentralizado com as outras cidades. Não tem ônibus direto para cá. Podiam colocar linhas especiais nos fins de semana. Assim, quem não tem carro chegaria mais facilmente”, observou.

Uma das opções que mais chamavam a atenção era a pista de skate. Com atletas de todas as idades, faltava espaço para tantas manobras. Segundo o estudante Rafael Bandeira Chaves, 27, essa é uma das melhores da cidade. "Tem muita qualidade e foi bem projetada, com obstáculos para todos os níveis.” Morador do Guará, ele contou que a realidade por lá é diferente. “Perto da minha casa, a pista está abandonada. Esse tipo de espaço fortalece o esporte e dá mais opções para as pessoas”, concluiu. 

Estrutura 

A estrutura, de mais de 80 mil m², incluirá 1.421 metros de ciclovia, 1.249 metros de pista para caminhada, mesas de xadrez e tênis, quatro quadras de esportes, três parques infantis, um Ponto de Encontro Comunitário (PEC), um circuito inteligente para malhação, sete pergolados – estruturas de madeira para descanso -, um calçadão de mais de 550m às margens do Lago Paranoá e 70 mil m² de área gramada. O parque fica na L4 Sul, próximo à Ponte das Garças.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

BRT Oeste em Taguatinga deve 'sair do papel' ainda em 2017, anuncia GDF

17/05/2017 - G1 DF

Obra está na fase de compra dos ônibus, segundo governo. Anúncio ocorreu durante vistoria da Ligação Torto-Colorado; outras 12 obras foram divulgadas.

Por Luiza Garonce

Obras da Ligação Torto-Colorado, em Brasília, devem ficam prontas em agosto de 2018 (Foto: Luiza Garonce/G1)
Obras da Ligação Torto-Colorado, em Brasília, devem ficam prontas em agosto de 2018 (Foto: Luiza Garonce/G1)

O BRT Oeste, uma das promessas de governo de Rodrigo Rollemberg, “vai sair do papel” até o final de 2017, segundo o secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno. A obra promete ligar Taguatinga ao Plano Piloto. O anúncio ocorreu na manhã desta quarta-feira (17) durante vistoria do GDF às obras da Ligação Torto-Colorado.

De acordo com Damasceno, o projeto do BRT concluiu as etapas de construção da faixa exclusiva na EPTG e das estações nos canteiros centrais, mas ainda faltam os ônibus.

“Já estamos na fase de aquisição. Acreditamos que [o BRT Oeste] comece a operar ainda neste ano.”
O BRT Norte, no entanto, ainda não tem previsão para ser construído. Segundo o secretário, a obra aguarda financiamento do governo federal. Outra intervenção esperada na mobilidade da capital, a expansão do metrô de Samambaia e da Asa Norte, também não tem prazo para ser inciada.

“Aguardamos resposta do Ministério de Cidades sobre a liberação orçamentária, mas estamos prontos para licitar”, disse o diretor-geral do Departamento de Estradas e Rodagens (DER), Henrique Luduvice.

Governador Rodrigo Rollemberg e diretor-geral do DER, Henrique Luduvice, fazem vistoria da Ligação Torto-Colorado (Foto: Luiza Garonce/G1)
Governador Rodrigo Rollemberg e diretor-geral do DER, Henrique Luduvice, fazem vistoria da Ligação Torto-Colorado (Foto: Luiza Garonce/G1)

Torto-Colorado

O projeto iniciado em 2014 e interrompido durante 15 meses por falta de recursos do governo tem previsão de conclusão para agosto do ano que vem, segundo o DER. O complexo viário se estenderá entre o Balão do Torto e o Balão do Colorado, com seis pistas.

Durante a visita, Rollemberg anunciou outras 12 que foram iniciadas, entre ciclofaixas, pontes e viadutos. Todas elas, segundo o DER, serão construídas por meio de financiamento do BNDES de R$ 350 milhões. Somente a Ligação Torto-Colorado foi orçada em R$ 200 milhões.

Entre as novidades anunciadas está a construção de uma ciclovia de 25km nos dois sentidos da Estrada Parque Taguatinga (EPTG). A obra estava prevista no plano de 80 ações em mobilidade urbana anunciado pelo governo em maio do ano passado. “Uma das vias mais importantes de ligação com o Plano Piloto vai ter segurança para os ciclistas irem trabalhar”, disse Rollemberg.

A previsão de conclusão no plano original é no mês que vem. No entanto, o secretário de Mobilidade informou que o projeto passará por mudanças, que serão anunciadas em julho. Com isso, prazos e número de obras devem ser alterados.

Governador Rodrigo Rollemberg e representantes do governo anunciam 12 obras em mobilidade urbana inciadas no DF (Foto: Luiza Garonce/G1)Governador Rodrigo Rollemberg e representantes do governo anunciam 12 obras em mobilidade urbana inciadas no DF (Foto: Luiza Garonce/G1)

Governador Rodrigo Rollemberg e representantes do governo anunciam 12 obras em mobilidade urbana inciadas no DF (Foto: Luiza Garonce/G1)

Outras ciclovias também serão construídas na DF-039, na divisa do Gama com Val Paraíso com cerca de 9km, e na DF-001, com 12,5 km de extensão próximo ao Lago Oeste – esta ainda vai passar por recapeamento.

As obras também incluem a reforma do viaduto Camargo Corrêa, que interliga o Eixão Sul à via de acesso ao aeroporto, a conclusão da Ponte Padre Lúcio, entre Brazlândia e Águas Lindas, a construção de uma passarela de pedestres na BR-020 e de pontes sobre o Rio Descoberto – na BR-080 e sobre o Córrego Alagado, na DF-290.

A pavimentação do anel viário, também prevista no plano de ação do governo, foi anunciada como “projeto aprovado” nesta quarta, mas ainda não há previsão de data para execução. A obra vai pavimentar 321 quilômetros de vias construídas nas marginais das principais rodovias do DF para desafogar o trânsito.

Com a mesma finalidade, será construída uma via marginal na Estrada Parque Aeroporto. Acessos a escolas rurais do DF estão incluídos nos projetos aprovados do GDF, mas, igualmente, não há previsão para início das obras.

Ações de mobilidade

Algumas das medidas anunciadas nesta quarta (17) fazem parte das 80 ações no setor de mobilidade urbana anunciadas pelo governo em maio de 2016, com o objetivo de desafogar o trânsito nas vias da capital.

O custo total estimado era de R$ 6 bilhões e deve ser mantido mesmo com a inclusão de novos projetos, segundo o secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno. “Conseguimos recurso para algumas obras, não conseguimos para outras e isso balanceou os gastos.”

Até maio, 34 medidas previstas no plano deveriam ter sido entregues, sendo 20 obras e 14 projetos. Damasceno não informou quantas foram entregues, mas disse que a secretaria está fazendo uma avaliação do plano para mensurar o andamento de cada uma delas. O balanço deve ser divulgado em julho.

“Tem obras novas que entraram [no plano], estamos fazendo ajustes, vamos ter outros lançamentos em junho, principalmente para ciclistas e quanto ao bilhete eletrônico.”

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

População do DF cresce 2,14% em um ano, o equivalente a 'um Guará e meio'

30/08/2016 - G1 DF

DF ganhou 62.386 habitantes, passando a 2.914.830 moradores, diz IBGE.

Aumento registrado foi o maior do país; Brasil tem 206 milhões de habitantes.

Casas no Guará vistas de cima (Foto: Dênio Simões/Agência Brasília)
Casas no Guará vistas de cima (Foto: Dênio Simões/Agência Brasília)

O Distrito Federal ganhou 62.386 habitantes em um ano, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre 2015 e 2016, o DF passou de 2.914.830 moradores para 2.977.216. O aumento, de 2,14%, é o maior comparado com as outras unidades da federação e representa um crescimento populacional equivalente a quase um Guará e meio. Segundo a Codeplan, o Guará tem população estimada de 46.267 habitantes.

Com 489 mil habitantes, Ceilândia seria 43ª cidade mais populosa do país

Brasil tem mais de 206 milhões de habitantes, segundo o IBGE

Os dados foram publicados nesta terça-feira (30), no "Diário Oficial da União". Pelo levantamento, a estimativa é de que população brasileira é de 206.081.432 habitantes. No ano passado, a estimativa era de 204.450.649.

O estado de São Paulo é o mais populoso, com 44.749.699 habitantes. O estado com a menor população é Roraima, que tem 514.229 moradores.

No DF, a região mais populosa é Ceilândia, com 489 mil moradores, número menor apenas do que 42 cidades brasileiras, segundo dados da Codeplan. A região aparece à frente de seis capitais, entre elas Florianópolis, Vitória e Palmas.

O estudo da Codeplan apontou que a taxa média de crescimento na região foi de 4%, em comparação a 2013. “Se a gente considera só Pôr do Sol e Sol Nascente, foi  9% de crescimento. Então a gente vê esse crescimento explosivo que essa área irregular teve nesses últimos dois anos”, afirma o diretor de Estudos e Pesquisa Socioeconômica da Codeplan, Bruno de Oliveira Cruz.

A região de Ceilândia é a que mais abriga nordestinos no DF, mas possui atualmente mais da metade da população entre nascidos na capital. São 51%, diz o levantamento. O estudo mostrou que 37% dos moradores trabalham na própria região.

A renda média familiar do local passou de R$ 2.936 mensais em 2013 para R$ 3.076. Segundo os pesquisadores, o rendimento ainda é considerado baixo. O transporte público é usado por 48% dos moradores. A pesquisa apontou que 72% das crianças até 4 anos não têm vaga em creches.

O levantamento apontou que 61% das casas têm TV de tela plana, 45% têm TV por assinatura, 60% têm carro e 65%, acesso à internet. Para 48% dos entrevistados, a maior queixa foram os buracos no asfalto. Para 23% , lixo e entulho incomodam mais.

Veja abaixo a população de cada estado e do Distrito Federal, segundo o IBGE:

Rondônia: 1.787.279
Acre: 816.687
Amazonas: 4.001.667
Roraima: 514.229
Pará: 8.272.724
Amapá: 782.295
Tocantins: 1.532.902
Maranhão: 6.954.036
Piauí: 3.212.180
Ceará: 8.963.663
Rio Grande do Norte: 3.474.998
Paraíba: 3.999.415
Pernambuco: 9.410.336
Alagoas: 3.358.963
Sergipe: 2.265.779
Bahia: 15.276.566
Minas Gerais: 20.997.560
Espírito Santo: 3.973.697
Rio de Janeiro: 16.635.996
São Paulo: 44.749.699
Paraná:  11.242.720
Santa Catarina: 6.910.553
Rio Grande do Sul: 11.286.500
Mato Grosso do Sul: 2.682.386
Mato Grosso: 3.305.531
Goiás: 6.695.855
Distrito Federal: 2.977.216

http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2016/08/populacao-do-df-cresce-214-em-um-ano-o-equivalente-um-guara-e-meio.html

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

GDF começa as obras de construção de quatro viadutos em Águas Claras


17/12/2015 – Fato Online – Brasília/DF

Começou nessa quinta-feira (17) as obras para a construção de quatro viadutos na cidade de Águas Claras que irão melhorar a fluidez no trânsito da cidade. Essas intervenções já haviam sido prometidas em maio deste ano pelo governador do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg durante as comemorações do aniversário de 12 anos da região administrativa e só agora foram iniciadas.

A previsão de conclusão é de cinco meses e a obra custará, no total, cerca de 14 milhões aos cofres públicos. Segundo o governo de Brasília parte dos recursos foram garantidos com empréstimos do Banco do Brasil e outra parte veio do orçamento do GDF e recursos da Terracap.

Os viadutos facilitarão a interligação das vias internas e o acesso para as avenidas Boulevard Norte e Sul, que ficam a margem da linha do metrô. Mas os problemas enfrentados pela população nas vias que dão acessos à cidade ainda não tem previsão para serem resolvidos.

“Essa obra compõe um conjunto de intervenções urbanas para a mobilidade”, garantiu o governador Rodrigo Rollemberg no lançamento da obra. Ainda essa semana o chefe do executivo lançou as obras de expansão do metrô para a Asa Norte e a retomada do projeto do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Em seu discurso o governador afirmou que os recursos do BNDES para as obras do Trevo de Triagem Norte sairão em janeiro.

O viaduto 1 ficará na rua 37 norte: sobre a linha do Metrô, interligando as Rua 37 Norte e Sul; viaduto 2 Rua Alecrim: interligação das vias internas de Águas Claras sobre a linha do Metrô-DF interligando a Rua Alecrim; o viaduto 3 será interligando a Rua Manacá; e o último na Rua 36 Norte interligando com a rua 36 Sul.

Parte da obra será realizada no período noite com a intenção de não atrapalhar mais ainda o trânsito da cidade que já é intenso. O governador prometeu cobrar da empreiteira que o cronograma da obra seja cumprido no prazo estabelecido.



terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Águas Claras terá consulta pública sobre ciclofaixas

Encontro está marcado para quarta (9) à noite e reunirá representantes do governo e da sociedade
Da Agência Brasília, com informações da Secretaria de Gestão do Território e Habitação

07/12/2015 - Agência Brasília

Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília - 22.10.2015
Águas Claras terá consulta pública sobre ciclofaixas
Águas Claras terá consulta pública sobre ciclofaixas

Uma consulta pública para debater a demarcação de ciclofaixas em Águas Claras ocorrerá na quarta-feira (9), às 19h30, no auditório do Colégio La Salle, na Quadra 301 da região.

Participarão do encontro representantes da Associação de Moradores de Águas Claras, do Departamento de Trânsito (Detran), da administração regional e da Secretaria de Gestão do Território e Habitação.

Segundo o titular da pasta, Thiago de Andrade, a consulta pública é uma oportunidade para esclarecer detalhes do projeto elaborado pelo órgão com o objetivo de fomentar o uso do metrô por meio de intervenções voltadas a deslocamentos não motorizados, a exemplo da pintura de ciclofaixas. "Alguns setores criaram resistência a alguns pontos bem particulares. Precisamos equalizar isso."

Acesse o projeto sobre mobilidade no entorno das estações de metrô.

Consulta pública sobre ciclofaixas em Águas Claras
9 de dezembro (quarta-feira)
Às 19h30
No auditório do Colégio La Salle de Águas Claras (Quadra 301)

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Brasília pode ter ‘cidade’ ao redor do aeroporto

27/11/2015 -  O Globo

BRASÍLIA- De olho na reforma administrativa do governo federal, que busca reduzir gastos com o custeio da máquina pública, a concessionária do aeroporto de Brasília (Inframérica) viu uma oportunidade para aumentar suas receitas oferecendo ao governo a construção de uma Cidade Administrativa em torno do aeroporto. Ela ofereceu a possibilidade de construir prédios sob medida para as necessidades dos organismos federais, que seriam alugados para o governo. Concessionária e governo confirmaram ao GLOBO a negociação, que ainda não tem um preço de consenso.

Segundo fontes do Ministério do Planejamento, a Inframérica está cobrando um valor elevado demais pelos aluguéis. O trunfo da Inframérica na oferta dos edifícios construídos no modelo "built-to-suit” (construído para servir, em tradução livre do inglês), é de que, no fim do período de concessão de 25 anos, esses imóveis serão incorporados ao patrimônio da União, que, a partir de então, poderá continuar a ocupá-los sem ter de pagar o aluguel.

Em agosto, o Planejamento anunciou um plano para vender imóveis da União para reforçar os cofres do Tesouro Nacional e ao mesmo tempo construir novos prédios para acomodar órgãos públicos, o que resultaria numa economia com aluguéis. A ideia é vender quase 700 imóveis. O total arrecadado pode ser de R$ 1,8 bilhão, segundo as estimativas do governo.

Em outra frente, a proposta seria construir, em parceria com a iniciativa privada, seis anexos em prédios de ministérios e uma segunda sede da Receita Federal. Somente a construção dos anexos deve permitir à União deixar de pagar, em aluguéis, R$ 1,363 bilhão. Descontados os custos da obra, de R$ 1,260 bilhão, a economia no fim dos 12 anos será de R$ 103 milhões.